Um bom corredor executa que tipo de passada? Mudá-la pode melhorar o desempenho?

Um bom corredor executa que tipo de passada? Mudá-la pode melhorar o desempenho?
Os corredores que se preocupam com o estilo de sua passada, devem relaxar. Em geral ela deve estar adequada, conforme novo e interessante estudo. Os pesquisadores descobriram que os corredores experientes e iniciantes tendem a executar o passo que é mais eficiente para eles.

Como espécie, os seres humanos são naturalmente capazes de correr. A maioria de nós começa a correr quando criança e continua, pelo menos esporadicamente, ao longo da vida, corre pelos aeroportos, para chegar ao ônibus, para chegar na hora etc... mas, porque podemos correr, isso significa que, naturalmente, corremos corretamente?

Muitos especialistas, incluindo treinadores e fisiologistas, discutiram essa questão nos últimos anos, ponderando se existe uma postura ideal que todos devem adotar.

Em particular, eles discutiram sobre a cadência, sobre comprimento da passada e também o número de passadas que os corredores executam por minuto. O comprimento e a cadência do estão intimamente conectados, e especialistas e corredores se perguntam se a alteração dessas variáveis pode fazer com que alguém seja um corredor melhor e mais rápido.

Muitos corredores disseram, em várias ocasiões, que devemos encurtar nossos avanços para correr mais rápido, ou alongá-los, e talvez visar uma cadência acima de 160 passos por minuto.

Mas, surpreendentemente há pouca evidência científica que reforce ou refute a ideia de que modificar a forma como se corre é aconselhável, especialmente para os iniciantes no esporte.

Assim, no novo estudo, publicado em maio no International Journal of Exercise Science, os cientistas da Brigham Young University, Utah, examinaram atentamente os avanços de peritos e corredores inexperientes e viram que acontecia quando eles modificaram seu ritmo.

Eles recrutaram 19 corredores qualificados e competitivos, incluindo 10 membros da equipe feminina de cross-country da Primeira Divisão da Universidade. Os pesquisadores também reuniram mais 14 pessoas ativas de outros esportes, incluindo ciclistas e nadadores, todos os quais estavam aptos, mas nenhum dos quais havia feito corrida de competição nos últimos dois anos.

Os voluntário foram testados em esteira no laboratório de desempenho humano da universidade, na velocidade que fosse mais confortável para cada um. Para os corredores experientes, foi alcançada a velocidade de treino usual. Para os novatos, foi o ritmo mais rápido que eles que poderiam manter por pelo menos 20 minutos.

Os pesquisadores contaram manualmente os passos de cada voluntário, um número que verificaram com fita de vídeo e, em seguida, determinaram o comprimento do passo de cada pessoa quando eles estavam sua velocidade máxima.

Em outro dia, todos repetiram o exame com controle do VO2 (teste cardiopulmonar). Foi solicitado aos voluntários que mantivessem ao mesmo ritmo e comprimento de passo que eles originalmente escolheram como seu favorito pessoal. 

Então, na visita seguinte ao laboratório, os pesquisadores usaram um metrônomo para alterar os passos das pessoas, pedindo-lhes que combinassem seus passos com o tom do metrônomo, pousando com o pé direito cada vez que o metrônomo tocava. A velocidade da esteira permaneceu inalterada, mas os pesquisadores aceleraram ou retardaram a cadência do metrônomo primeiro para 8% e depois 16%. A fim de manter o ritmo, os corredores tiveram que encurtar ou prolongar os passos em conformidade. Os pesquisadores fizeram com que eles mantenham esses passos por dois minutos, enquanto seguiam suas respirações ao longo do tempo.

Em seguida, eles examinaram os dados para ver como a economia de funcionamento dos voluntários tinha sido afetada. Eles descobriram que os efeitos foram consideráveis. Quando os corredores modificaram seus avanços de corrida preferidos, seja  com alongamento ou o encurtamento, sua economia geralmente declinou. A corrida tornou-se fisicamente mais difícil. 

Se uma forma de movimento requer menos oxigênio do que outra, é mais econômico, menos árduo e será mais fácil de manter. Então, se uma maneira de correr é mais econômica do que outra, um corredor que emprega esse estilo funcionará mais e com maior facilidade do que se ele ou ela for diferente.

Curiosamente, essa descoberta foi verdadeira tanto para os corredores experientes quanto para inexperientes, e na mesma medida. Apesar de sua inexperiência, os noviços escolheram instintivamente seu ritmo mais eficiente e avançaram no início do estudo. Alongar ou reduzir seus passos mais tarde não os tornaram mais econômicos, em vez disso, os fazia menos eficientes.

Essas descobertas indicam que "nossos corpos sabem o que estão fazendo" quando se trata de escolher a forma de corrida, mesmo sem o benefício de nenhuma instrução, diz Lain Hunter, professor de ciência do exercício em B.Y.U. que supervisionou o estudo e também é cientista da equipe de atletismo dos Estados Unidos.

Claro, isso foi um olhar único em um pequeno grupo de corredores e focado em uma velocidade de corrida única e sustentável para cada um. Não pode nos dizer se existem outras situações em que os corredores podem se beneficiar com a alteração de seus passos, inclusive para evitar lesões.

Mas, a mensagem geral é encorajadora e educativa, diz o Dr. Hunter. Para a maioria de nós que corremos, nosso passo mais eficiente não é algo que devemos aprender com treinadores ou outros especialistas, diz ele. "É construído".

Fontes:
  • Gretchen Reynolds -  https://mobile.nytimes.com/2017/08/02/well/move/the-best-running-stride-the-one-that-comes-naturally.html
  • Self-Optmization of StrideLength Among Experienced and Inexperienced Runners. Hunter I et al. Int. J exerc Sci. 2017

Gostou? Então compartilhe:

Exames Relacionados

Veja os exames relacionados a esta matéria

Eletrocardiograma

Eletrocardiograma

Exame destinado a registrar a atividade elétrica responsável pelos batimentos do coração.

Veja mais
Ergometria

Ergometria

São algumas das diferentes formas de chamar o exame de esforço. Na Cardiométodo pode ser realizado tanto na esteira rolante como na bicicleta ergométrica

Veja mais

POSTAGENS RELACIONADAS

Veja mais novidades sobre este assunto

Nutrição saudável na infância e a prevenção da obesidade, patologias cardíacas e outras doenças na vida adulta

Nutrição saudável na infância e a prevenção da obesidade, patologias cardíacas e outras doenças na vida adulta

E na infância que se adquirem hábitos saudáveis que serão levados para a vida toda prevenido o corpo e a mente de inúmeras doenças. Assim, os pais...

Leia mais
Atividade física em horário de calor intenso pode levar ao estresse físico

Atividade física em horário de calor intenso pode levar ao estresse físico

Verão, forte calor, uma enorme disposição para atividade física - cuidado! É importante lembrar de tomar precauções para praticar exercícios fí...

Leia mais
Entendendo o Teste Cardiopulmonar

Entendendo o Teste Cardiopulmonar

A combinação do teste ergométrico (TCP), saturação de oxigênio e medidas das trocas ventilatórias torna o teste cardiopulmonar um método superio...

Leia mais