Para o exercício, nada melhor do que ao ar livre

Para o exercício, nada melhor do que ao ar livre
Caminhadas longas podem melhorar o humor e reduzir a ansiedade, mas os benefícios podem ser maiores se as caminhadas acontecerem ao ar livre ao invés de uma academia, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da Áustria. Uma caminhada vigorosa em parques ou lugares prazerosos pode proporcionar o estimulo mental necessário manter o movimento.

Todos sabem que para uma saúde ótima é preciso se mexer mas, as pesquisas indicam que as pessoas continuam muito sedentárias. Os exercícios físicos para muitos não provocam alegria, e tendem a não serem realizados.

Nos últimos anos, muitos cientistas e outros especialistas concentraram sua atenção em exercícios curtos e intensos, geralmente chamados de treinamento de intervalo de alta intensidade, porque a duração é tão menor, aumentando a possibilidade de que pessoas muito ocupadas possam se exercitar. Mas, embora muitas pessoas adotem um programa de treinamento de intervalo de alta intensidade ficando satisfeita com a brevidade dos exercícios, muitas vezes referem a intensidade desagradável, o que, a longo prazo, poderia desencorajar a continuação.

Em novo estudo, pesquisadores da Universidade de Innsbruck na Áustria e outras instituições investigaram como os treinos diferentes poderiam aumentar o prazer das pessoas potencializando a participação.

Em outras palavras, os pesquisadores se perguntaram se caminhadas longas e relativamente leves fariam as pessoas felizes e, em caso afirmativo, se alguns tipos de caminhadas seriam mais prazerosos do que outros.

Para descobrir, eles recrutaram pela primeira vez cerca de 40 homens e mulheres saudáveis dentro e ao redor de Innsbruck e pediu-lhes para completar uma série de questionários. Em seguida, eles pediram a cada voluntário para realizarem vários exercícios prolongados.

Uma dessas caminhadas foram desenvolvidas nas montanhas da cidade de Innsbruck. Antes de começarem, os voluntários repetiram os testes de humor. Então eles caminharam em grupos de três ou quatro ao longo de uma trilha sinuosa e com subida persistentemente. Os voluntários usavam monitores de frequência cardíaca e foram informados de se mexerem em um ritmo rápido, podendo conversar um com o outro.

Em outro dia, cada voluntário completou praticamente o mesmo treino em uma esteira em uma academia em Innsbruck. As inclinações das máquinas foram configuradas para simular a subida ao ar livre. Os voluntários caminharam um ao lado do outro e foram encorajados a conversar. Todos eles também completaram os questionários sobre o grau de esforço e o humor.

Então, em um último dia como sessão de controle, todos ficaram sentados por cerca de três horas em uma sala comum na universidade equipada com computadores, revistas e sofás, onde eles podiam navegar ou conversar e, antes e depois, avaliar seus modos.


As caminhadas na montanha acabaram por ser, objetivamente, as mais árduas dos exercícios. Embora os ganhos de altitude durante a caminhada interior e exterior tenham sido comparáveis, as frequências cardíacas das pessoas aumentaram mais durante a caminhada na montanha.

Mas, curiosamente, quase todos os participantes relataram que o esforço ao ar livre foi menos intenso para eles do que o tempo na esteira.

E as suas pontuações de humor foram muito maiores após a caminhada ao ar livre do que o na esteira, indicando que eles gostaram mais do que estar na academia.

Por outro lado, a longa caminhada na academia os deixara quase uniformemente mais felizes e mais relaxados quando comparados ao período que permaneceram sentados e usando um computador ou conversando por várias horas.

Em essência, andar tinha sido "mais prazeroso" do que não andar, mesmo que a duração das caminhadas tivesse sido longa, diz Martin Niedermeier, professor de ciência do esporte na Universidade de Innsbruck, que liderou o estudo. Mas, caminhando ao ar livre  proporcionou benefícios adicionais, melhorando o humor, ele diz, sugerindo que as pessoas possam aderir mais facilmente a programa de caminhada ao ar livre do que em esteiras.
Fonte: https://www.nytimes.com/2017/06/28/well/move/for-exercise-nothing-like-the-great Por GRETCHEN REYNOLDS 28 de junho de 2017

Gostou? Então compartilhe:

Exames Relacionados

Veja os exames relacionados a esta matéria

Eletrocardiograma

Eletrocardiograma

Exame destinado a registrar a atividade elétrica responsável pelos batimentos do coração.

Veja mais
Ergometria

Ergometria

São algumas das diferentes formas de chamar o exame de esforço. Na Cardiométodo pode ser realizado tanto na esteira rolante como na bicicleta ergométrica

Veja mais

POSTAGENS RELACIONADAS

Veja mais novidades sobre este assunto

Testes funcionais ou angiotomografia coronariana na avaliação da doença arterial coronariana?

Testes funcionais ou angiotomografia coronariana na avaliação da doença arterial coronariana?

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo e, a doença arterial coronariana (DAC) é a forma mais prevalente sendo a respons...

Leia mais
A relevância do Teste Cardiopulmonar ou Ergoespirometria na avaliação clínica

A relevância do Teste Cardiopulmonar ou Ergoespirometria na avaliação clínica

A Cardiométodo esteve presente no Congresso da Cardiologia do Rio Grande do Sul (SOCERGS), realizado em 08/08/2015, na cidade de Gramado. O evento...

Leia mais
Vamos medir a pressão arterial?

Vamos medir a pressão arterial?

A Hipertensão Arterial Sistêmica é um dos grandes problemas de saúde pública no Brasil. É uma doença silenciosa que pode cursar durante muitos an...

Leia mais