Corrida para trás, no sentido inverso, é um bom exercício?

Corrida para trás, no sentido inverso, é um bom exercício?
Caminhar tem sido usado por profissionais do esporte e da reabilitação para melhorar a aptidão cardiovascular e reabilitar lesões músculo-esqueléticas. 

Os seres humanos geralmente aprendem a andar e correr em uma direção para a frente com pouca dificuldade. Isso é inerentemente, lógico, pois, o campo de visão está na direção direta. O retrocesso, andar para trás inverte as trajetórias do movimento das pernas, a perna não só inverte sua direção de movimento, como também viaja na direção oposta no mesmo caminho.

Foi relatado que o retrocesso tem efeitos de treinamento que são diferentes da corrida normal. Além disso, correr ou caminhar para trás é usado como um exercício de reabilitação preferido para algumas condições, em particular quando o impacto da greve do calcanhar precisa ser evitada.

A assimetria de pouso e decolagem encontrada na corrida, salto e trote é a expressão de uma interação conveniente entre todas as estruturas. Mais energia metabólica deve ser gasta no caso oposto quando o músculo é forçado a trabalhar contra sua propriedade básica (isto é, quando deve exercer uma força maior durante o encurtamento e uma força menor durante o alongamento).

De acordo com um estudo de 2011, quando os corredores avançam à frente, eles tipicamente atingem o chão com a parte de trás do pé impulsionando  para a frente, envolvendo os músculos e tendões, liberando a energia retida nos tecidos.

Os corredores para trás não geram o mesmo tipo de energia, o estudo encontrou, em vez disso,  que para completar cada passo, eles usam mais músculos da perna do que no movimento para a frente e podem queimar aproximadamente 30% mais energia para ir no mesmo ritmo que quando correr para a frente.

Schwane et ai. relataram que uma tarefa muscular relativamente nova aumenta o recrutamento da unidade motora, aumentando assim o custo metabólico da atividade. Da mesma forma, os níveis elevados de lactato sanguíneo medidos no estudo realizado por por Flynn et al. sugerem que a marcha para trás depende de uma maior percentagem de metabolismo anaeróbio do que caminhar para a frente. A maior demanda metabólica é uma razão para as mudanças no desempenho anaeróbico observado no grupo de caminhada para trás. 

Porque é relativamente mais extenuante, correndo para trás pode ser eficaz na melhora  da capacidade física. Um estudo de 2014 descobriu que, mesmo entre os caminhantes, ir para trás resultou em maiores melhorias no desempenho físico do que uma quantidade comparável de caminhar para a frente.

Outro  estudo,  de 2016, corredores experientes que trocaram seu programa de treinamento normal por cinco semanas de corrida para trás tornaram-se mais eficiente. Eles poderiam agora correr mais rápido sem precisar de mais oxigênio.

Correr para trás  também resulta em menor impacto nos joelhos, mostram os estudos, por isso, às vezes é usado para ajudar os corredores a reabilitar de lesões a essa articulação.

Mas, há desvantagem: as pessoas costumam tropeçar ou bater em objetos e outras pessoas enquanto correm para trás. Um estudo de 2015 concluiu  diplomaticamente  que correndo para trás resulta em "uma maior magnitude da variabilidade de coordenação" do que correr para a frente.

No entanto, os benefícios podem superar os riscos, diz Giovanni Cavagna, professor emérito de fisiologia da Universidade de Milão, na Itália, que liderou o estudo de 2011.

Especialistas sugerem que é melhor tentar primeiro em uma pista de atletismo ou  com um parceiro que aponte obstáculos e em locais  com superfície plana, ampla e livre de buracos.

Boa corrida



Fonte: 

1. NyTimes; GRETCHEN REYNOLDS, FEBRUARY 2017 https://mobile.nytimes.com/blogs/well/2017/02/03/is-running-backward-good-exercise

2. Running backwards: soft landing-hard takeoff, a less efficient rebound. Cavagna GA1, Legramandi MA, 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20719774 -

3. Effect of Forward and Backward Locomotion Training on Anaerobic Performance and Anthropometrical Composition- Shaji John Kachanathu, PT, PhD, Aqeel M Alenazi, PT.
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4273047-

4. The Effects of Backwards Running Training on Forward Running Economy in Trained Males. Ordway JD1, Laubach LL, Vanderburgh PM, Jackson KJ.    
 https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26332781

Gostou? Então compartilhe:

Exames Relacionados

Veja os exames relacionados a esta matéria

Eletrocardiograma

Eletrocardiograma

Exame destinado a registrar a atividade elétrica responsável pelos batimentos do coração. É indolor.

Veja mais
Ergometria

Ergometria

São algumas das diferentes formas de chamar o exame de esforço. Na Cardiométodo pode ser realizado tanto na esteira rolante como na bicicleta ergométrica

Veja mais
MRPA

MRPA

Método de medida da pressão arterial chamado de monitorização residencial da pressão arterial (MRPA) utilizado tanto para confirmar o diagnóstico da hipertensão arterial como no acompanhamento e avaliação da eficácia da terapia anti-hipertensiva

Veja mais
Teste Cardiopulmonar

Teste Cardiopulmonar

A Cardiométodo disponibiliza este exame tanto em esteira como na bicicleta. É a forma mais completa para avaliação e prescrição do exercício

Veja mais

POSTAGENS RELACIONADAS

Veja mais novidades sobre este assunto

Como construir hábitos simples para perda de peso saudável

Como construir hábitos simples para perda de peso saudável

Perda de peso duradoura exige que você transformar seus hábitos alimentares e de atividade física. Mas, muitas outras escolhas que você faz a cada d...

Leia mais
Qual é a idade da sua aptidão física?

Qual é a idade da sua aptidão física?

Aptidão física é a capacidade de realizar as atividades cotidianas com tranquilidade e menor esforço (origem da definição: Wikipédia, a enciclop...

Leia mais
Teste Cardiopulmonar ou ergoespirometria

Teste Cardiopulmonar ou ergoespirometria

O teste cardiopulmonar ou ergoespirometria é um exame de grande valia tanto para o atleta como para os praticantes de atividade física não competitiv...

Leia mais