Agendamento de exames das 8h às 12h30 e das 13h30 às 18h (51) 3217.4144 ou 99175.7817

Blog

O estresse e o coração

 
O estresse e o coração
Hoje, a maioria dos especialistas reconhece que o estresse emocional ou psicológico pode aumentar o risco de doença cardíaca. De fato, os efeitos negativos do estresse agudo e crônico no sistema cardiovascular podem ser muito mais sérios do que pensamos.

Pesquisas recentes e experiências mostram que o estresse emocional pode aumentar a pressão arterial e o colesterol. Pode contrair as artérias, promover inflamação arterial, facilitar a coagulação sanguínea e aumentar o risco de ataque cardíaco e morte súbita.

Existe uma grande quantidade de literatura disponível sobre estresse psicológico e doença cardíaca. Nos cuidados de saúde modernos, o estresse é uma das queixas mais comuns dos pacientes. No entanto, parte do problema é que a palavra "estresse" é usada de muitas maneiras, o que pode ser bastante confuso.

O estresse não é facilmente definido, é difícil de quantificar, e lidar com isso é muitas vezes demorado e complexo. É por isso que o efeito do estresse emocional sobre doenças cardiovasculares às vezes foi rebaixado e até mesmo ignorado. Ultimamente, no entanto, nos tornamos mais conscientes das interações entre o corpo e a mente. Agora é reconhecido que emoções e personalidade podem ter um enorme impacto no funcionamento das células, órgãos e mecanismos de doenças.

Para entender o estresse, temos que diferir entre o "estressor", que é a entrada externa que faz com que nosso corpo reaja e a "resposta aos estressores", que é a reação do nosso corpo à entrada externa. O estressor é o fator externo que ameaça, pode ser uma ameaça física imediata, como um carro que se aproxima quando atravessamos uma rua. Pode ser menos óbvio, como uma sobrecarga no trabalho, um problema no casamento ou a morte de um ente querido. Seja qual for a entrada externa, a reação do corpo é semelhante. Existe uma maior atividade de mecanismos de defesa primitivos envolvendo o sistema nervoso autônomo. Mais importante ainda, o sistema nervoso simpático é ativado e a atividade parassimpática é reduzida.

O estresse é uma resposta física normal a eventos que nos fazem sentir ameaçados ou perturbados de algum modo. Quando sentimos o perigo - seja real ou imaginado - as defesas do corpo começam a atuar em alta velocidade. Os hormônios de estresse, como cortisol, adrenalina e noradrenalina, são liberados na corrente sanguínea. A frequência cardíaca e a pressão sanguínea aumentam. Os açúcares são liberados em nossa circulação para fornecer energia imediata. Nossa respiração torna-se mais rápida para atender às crescentes exigências de oxigênio dos músculos e órgãos. Todos os sentidos são preparados, todos os músculos estão tensos e estamos prontos para lutar ou fugir para salvar nossa vida.

A resposta ao estresse é a maneira do corpo de nos proteger. Ao trabalhar corretamente, isso nos ajuda a manter o foco, a energia e o alerta. Em situações de emergência, o estresse pode salvar nossa vida. A resposta ao estresse também nos ajuda a enfrentar desafios. O estresse é o que nos mantém atentos durante uma apresentação no trabalho e agudiza nossa concentração. Mas além de um certo ponto, o estresse deixa de ser útil. Nessa fase, pode começar a causar danos à nossa saúde, humor e produtividade. Isso afetará negativamente nossa qualidade de vida e poderá aumentar nosso risco de doença.

Às vezes, os pacientes não associam diretamente seus sintomas aos estressores. Eles podem se queixar de sintomas como problemas de sono e ansiedade. Em outros casos, os sintomas são mais físicos, como batimentos cardíacos irregulares, dificuldades respiratórias, dor estomacal, náuseas ou diarreia.

Os efeitos de um estressor sobre a saúde do indivíduo podem diferir, dependendo das vulnerabilidades do paciente. Um indivíduo que tem um forte apoio familiar e emocional pode mostrar uma melhor tolerância aos efeitos de estressores do que uma pessoa socialmente isolada. 

A aterosclerose é a principal causa subjacente de doença cardíaca e acidente vascular cerebral. Estudos científicos indicaram que pode haver uma ligação entre estresse psicológico e aterosclerose. Cinco domínios psicossociais têm sido relacionados ao risco de doença cardiovascular, são eles: depressão, ansiedade, alguns traços de caráter, isolamento social e estresse vital crônico. Esses domínios às vezes estão inter-relacionados. 

A ligação entre o estresse psicológico e a aterosclerose pode ser direta, através do dano à camada interna da artéria e indireta, através do agravamento de fatores de risco tradicionais, como tabagismo, hipertensão arterial e distúrbios lipídicos. Como exemplos, os fumantes de cigarro tipicamente aumentam o tabagismo em resposta ao estresse. Os níveis sanguíneos de colesterol demonstraram aumentar em situações estressantes. Isso tem sido associado a situações como a elaboração de declarações fiscais por contabilistas, a realização de exames pelos alunos e após uma perda de emprego ou eventos significativos da vida.

O estudo INTERHEART também estudou estresse crônico. As fontes de estresse crônico foram divididas em estresse no trabalho, estresse no domicílio e estresse financeiro. Pacientes com um primeiro ataque cardíaco relataram significativamente mais estresse em cada uma dessas categorias do que controles.

O estudo Whitehall II avaliou os efeitos do estresse crônico no local de trabalho. Houve um risco aumentado de 2,15 vezes para a nova doença cardíaca coronária em homens que experimentaram uma incompatibilidade entre esforço e recompensa no trabalho. Os sujeitos de alto risco eram aqueles que eram competitivos, hostis e ultrapassados no trabalho, diante das poucas perspectivas de promoção e das carreiras bloqueadas.

Como podemos modificar os efeitos nocivos do estresse em nossos corações e bem-estar? Em primeiro lugar, poderíamos limitar os estressores. Isso pode ser difícil de fazer na sociedade moderna. Todos nós estaremos expostos a diferentes tipos de estressores através da nossa vida. Podemos tentar evitá-los o máximo possível, mas logo ou mais, a maioria de nós terá que enfrentar nossos estressores. 

Estressores agudos, como desastres, acidentes, falhas de negócios, perda de emprego ou divórcio nos atingirão. Estressores crônicos, como problemas conjugais, estresse no trabalho e cuidado de um membro da família doente, não podem ser evitados. Horas de trabalho prolongadas, multitarefas, longas viagens, estas são apenas algumas das questões que muitos de nós temos que lidar. Então, talvez o segredo não seja para evitar o estresse, mas para gerenciá-lo e controlá-lo.

Fortalecimento da nossa rede social e das relações familiares se mostrou efetivo. A maioria dos especialistas também acredita que tomar um tempo para relaxar é importante. Qualquer coisa que você possa fazer para relaxar sua mente e seu corpo aumentará suas chances de gerenciar os efeitos do estresse em sua vida. O exercício físico, a caminhada, a leitura de um livro, escutar música, a meditação e a prática de ioga são todos os métodos que podemos usar.

Gerenciar o estresse é assumir o controle. Controlar seus pensamentos, emoções, sua agenda e ambiente é muito importante. Lembre-se de que o sono é necessário, o exercício regular e comer bem de forma saudável. Por último, mas não menos importante, não hesite em procurar ajuda profissional.
Fonte: Stress and Heart Disease, by Axel F. Sigurdsson MD. Last modified August 27, 2017https://www.docsopinion.com/category/medical-conditions/stress/
Data da publicação:

Deixe seu comentário  
Comentário:

Categorias:
Arquivos: