Agendamento de exames das 8h às 12h30 e das 13h30 às 18h (51) 3217.4144 ou 99175.7817

Blog

O casamento pode aumentar a sobrevida na doença cardíaca

 
O casamento pode aumentar a sobrevida na doença cardíaca
Um novo estudo sugere que os indivíduos que sofreram um ataque cardíaco, ou que estão em maior risco de doença cardíaca, têm maior probabilidade de sobrevivência se forem casados. Isso, segundo os pesquisadores, pode ser devido à disponibilidade de uma rede de suporte próxima.

Recentemente, vários estudos analisaram os efeitos da vida conjugal na saúde de um indivíduo. As descobertas são muitas vezes encorajadoras, sugerindo que a proximidade dos parceiros casados pode ter uma influência psicossocial importante e benéfica.

Por exemplo, um artigo no qual Medical News Today relatou no ano passado descobriu que a vida conjugal pode melhorar as taxas de sobrevivência do câncer.

Do mesmo modo, um estudo apresentado no último fim de semana no Congresso da Sociedade Europeia de Cardiologia, realizada em Barcelona, Espanha, sugere agora que as pessoas casadas também possuem uma melhor taxa de sobrevivência quando se trata de doenças cardíacas e ataques cardíacos, e isso pode ser devido a um mútuo sistema de apoio fornecido pelos cônjuges.

O autor principal Dr. Paul Carter e outros colegas da Aston Medical School em Birmingham, Reino Unido, analisaram os dados de 929.552 adultos admitidos em hospitais na Inglaterra entre 2000 e 2013.

Esses dados foram coletados usando o banco de dados da unidade de estudo Algoritmo para comorbidades, associações, duração de permanência e mortalidade (ACALM), que é um projeto que permite aos especialistas acessar e analisar grandes conjuntos de dados.

O casamento tem um papel protetor:

Das quase 930 mil pessoas admitidas para receber atendimento hospitalar entre 2000 e 2013, 25.287 tiveram anteriormente um ataque cardíaco, 168.431 tiveram hipertensão, 53.055 apresentaram níveis elevados de colesterol e 68.098 tiveram diabetes tipo 2.

Todas as pessoas cujos dados foram coletados foram classificadas de acordo com seu estado civil como solteiro, casado, divorciado ou viúvo.

Os pesquisadores descobriram que o casamento era um fator protetor para as pessoas que sofreram um ataque cardíaco, bem como para aqueles que tiveram um risco aumentado de doença cardíaca.

Pessoas casadas que tiveram um ataque cardíaco foram 14% mais propensas a sobreviver do que indivíduos solteiros que enfrentam a mesma situação. Além disso, as pessoas com colesterol alto que eram casados também tinham 16% de probabilidades de estarem vivas em 2013, que foi quando o estudo terminou.

As pessoas com diabetes tinham uma taxa de sobrevivência 14% maior se fossem casadas, e indivíduos casados com hipertensão apresentavam uma taxa de sobrevivência 10 por cento maior que as pessoas solteiras.

"Estar casado(a) e ter um esposa(o) em casa, provavelmente significa ter maior apoio emocional e físico em vários níveis, como por exemplo, encorajar a ter um estilo de vida mais saudável, ajudando a lidar com a condição de doença e ajudando a cumprir os tratamentos", diz o Dr. Paul Carter.

No entanto, os mesmos benefícios para a saúde não aparecem para as pessoas que se casaram e depois passaram por um divórcio.

"A natureza de um relacionamento é importante e há evidências de que o estresse e os eventos da vida estressante, como o divórcio, estão ligados a doenças cardíacas. Com isso em mente, também descobrimos que os pacientes divorciados com pressão arterial elevada ou um o ataque cardíaco anterior apresentam menor sobrevida do que os casados com a mesma condição", explica o Dr. Carter.

Este estudo confirma a importância desses fatores psicossociais em pacientes com doença cardiovascular como um todo", conclui o Dr. Potluri.

Fontes:
  • http://www.medicalnewstoday.com/articles/319204.php?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=daily
  • Barcelona, Spain – 28 Aug 2017: Marriage is a vital factor affecting the survival of patients who have had a heart attack, as well as the survival of patients with the most important risk factors, according to research presented today at ESC Congress

Data da publicação:

Deixe seu comentário  
Comentário:

Categorias:
Arquivos: